Complexo de Pádel

Curitiba, Brasil

O Novo Complexo de Pádel do Clube Curitibano ameniza com sua presença as fronteiras materiais entre o espaço público e privado no bairro Parolin em Curitiba. Durante o dia, devido ao movimento e fluxos dos jogadores entre sedes, e à noite, ao atuar como uma grande luminária urbana de LED. A impermeabilidade física, comum à grande massa dos barracões esportivos privados, é atenuada neste projeto pela simplicidade de sua estratégia arquitetônica baseada em 3 pontos: limites por muros verdes, base em pódio e cobertura em caixa suspensa.

O terreno onde é localizado o Novo Complexo de Pádel é contíguo, porém extramuros, da já consolidada Sede de Tênis Lucius Smythe, limitação que obriga o sócio-esportista a cruzar uma das ruas perimetrais ao clube caso queira deslocar-se entre os dois complexos esportivos. Esta situação de forçado diálogo urbano, pouco comum em clubes privados, foi o incentivo para um projeto arquitetônico que valorizasse o potencial do espaço público e viário do bairro Parolin em Curitiba – agindo, na medida do possível, como um contraponto às construções introvertidas de muros altos, e ao histórico social do bairro, vítima da criminalidade e do tráfico.

Muros Verdes

Dados os limites físicos da parcela e respeitando recuos, alinhamentos e afastamentos entre lotes, impostos pela legislação urbana, o projeto comporta a instalação de 4 quadras de Pádel de 10X20m. O equipamento contratado para construção das quadras, de tecnologia espanhola, é uma combinação de grandes superfícies de vidro temperado para rebatimento da bola, estruturados por perfis metálicos tubulares. A transparência destes fechamentos permite a total visualização do perímetro da parcela, fazendo com que o limite sensível para o usuário extrapole a superfície de jogo e se estenda até os muros verdes, divisa com a rua, ou vizinhança. Este elemento, separador do domínio público e privado, assume, portanto, o papel de limite visual da parcela: o muro é alargado para ser suporte vegetal e paisagístico, escalonado para obedecer a escala da pedestre e finalizado quando transformado em guarita, edícula de controle do acesso ao complexo.

Pódio

O terreno, com forte declividade, sofreu alteração para a criação de um pódio elevado (piano nobile) que abriga as quatro quadras de pádel e um terraço que aproveita as vistas para a cidade. O terraço da área em pódio foi calculado com sobrecarga de uso para acomodar a instalação de arquibancada provisória para competições, sob o pódio, próximo aos vestiários, também se situa o reservatório de água de reuso de águas pluviais, que abastece todo o complexo. Na cota inferior fica o estacionamento em rampa, minimizando assim o impacto visual dos veículos a partir das quadras.

Caixa Suspensa

A Nova Sede do Pádel do Clube Curitibano pretende ser um centro de referência nacional para competições deste esporte, o que requeria a flexibilidade para instalação de arquibancadas sem interferência visual de elementos estruturais. A partir desta condicionante foram definidos os limites do ginásio e as posições dos 8 apoios (lidos como 4) da estrutura principal. A partir da definição dos apoios metálicos em tubos circulares, foram lançadas duas treliças longitudinais, de extensão aproximada de 50m, com aproximadamente 6m de altura, que servem de suporte a outras duas treliças altas menos extensas, de cerca de 24m, na direção transversal do ginásio. Os balanços de 12m nos extremos enfatizam a leveza do volume e permitem um melhor comportamento estrutural do vão central, reduzindo os esforços de flexão nas treliças principais. O deslocamento lateral do volume suspenso é reduzido por uma pérgola metálica, que atua como elemento regulador da escala no espaço de convívio, anulando parcialmente, a partir deste ambiente, a percepção do volume do grande ginásio.

O fechamento de toda a caixa é feito com venezianas industriais de policarbonato leitoso, permitindo uma grande incidência de luz natural difusa e ao mesmo tempo ventilação natural abundante. Nos dias mais claros é possível jogar sem a necessidade de acender a iluminação artificial. O fechamento translúcido também colabora para a fácil adaptação visual dos jogadores, evitando o ofuscamento decorrente de fortes contrastes de luminosidade entre a caixa suspensa e o nível transparente das quadras, onde os muros verdes ou a vista da Serra do Mar ampliam o limite sensível.

Ano: 2017
Local: Curitiba, Paraná, Brasil
Área: 1.580 m2
Fotografia: Alexandre Kenji Okabaiasse e Alexandre Ruiz